sábado, 2 de janeiro de 2010

Perdidit Antiquum Litera Prima Sonum*

O que eu peço é um verso enochiano
Para que possa, entre sombras, atrelar
Cicatrizes profundas na linha rubro-jugular
Do meu solilóquio confuso e paulistano

Pois, existo apenas dentro de mim mesmo
Uma espécie sóbria e indecisa de reclusão
Que tento a cada verso não deixar a esmo
Mas meu fim é sempre o odor dolorido da repetição

Consistente que externo osso a osso
Procurando poesia-morte fosso a fosso
Do meu olho anômalo e mal projetado
Ao mau agouro nômade que trago atado

Nas notas de rodapé da minha essência
Eu verbalizo a falta por excelência
E, novamente, cometo o acometido assassinato
De oferecer à Poética meu simplório orfanato.

********************************************************

As antigas letras perderam seu primitivo som*

Primeiro poema do ano.

2 comentários:

  1. nossa nossa nossa...
    lindo poema, sá...
    ano bom... há de ser!

    ResponderExcluir
  2. muito bom! começou bemmm rs

    Feliz ano novo, smuk!
    beijão

    ResponderExcluir